23.5.06

Máscara da Ilusão

MirrorMask, de Dave McKean, Reino Unido/EUA,2005 - DVD

Parceiro há décadas do escritor Neil Gaiman, o artista plástico britânico Dave McKean ilustrou vários de seus trabalhos, tornando-se conhecido principalmente pelas exuberantes capas que criou para Sandman, uma das mais bem sucedidas e premiadas graphic novels de todos os tempos. Máscara da Ilusão retoma essa fecunda parceria, na primeira incursão de McKean pelo longa-metragem, baseado em roteiro inédito de Gaiman.
Aqueles que acompanham o trabalho de Neil Gaiman – seja através de suas graphic novels (Sandman, Os Livros da Magia, Orquídea Negra) ou de seus romances (Belas Maldições, Deuses Americanos) – estão acostumados com sua imaginação extraordinária, capaz de criar mundos inteiros com um detalhismo e coerência impressionantes. Responsável pela tradução visual desse universo onírico, McKean é dono de um estilo inconfundível, numa mescla de desenho, fotografia, bonecos e manipulações digitais de imagem.
Assim como Coraline, obra infanto-juvenil de Neil Gaiman (não por acaso ilustrada por McKean), acompanhamos em Máscara da Ilusão o processo de amadurecimento de uma criança, tentando entender o mundo em que vive através da fantasia. Nesse sentido, o filme guarda semelhanças com o clássico A História Sem Fim, de Wolfgang Petersen, mas aqui o estilo de McKean se impõe, com um visual que impressiona desde o primeiro instante, indo do expressionismo à pintura de Hieronymus Bosch, passando pelo cinema de Michel Gondry.
Helena (interpretada pela estreante Stephanie Leonidas), trabalha no circo de seus pais. Apesar de seu cotidiano ser o sonho da maioria das crianças, ela gostaria de uma vida “normal” e estável e briga constantemente com sua mãe por isso. Após uma dessas discussões, sua mãe é internada com uma doença desconhecida. Arrependida e com peso na consciência, Helena adormece e se vê em um mundo de fantasias, um reino repleto de criaturas estranhas e pessoas mascaradas que está prestes a entrar em colapso, e cabe a ela restaurar esse equilíbrio perdido.
Se a alegoria do amadurecimento de Helena impressiona por seu retrato carinhoso e matizado (diferentemente da infância edulcorada da maioria dos filmes que focam nesse universo), infelizmente o visual hiperbólico de McKean, apesar de funcionar muito bem nos quadrinhos, aqui dá um ar excessivamente artificial ao filme, que impregna da interpretação à movimentação dos atores em cena, não permitindo que o espectador embarque inteiramente nessa fantasia. O enredo também dificulta esse envolvimento, uma vez que parece evoluir de maneira arbitrária, deixando ao acaso – e não às ações de Helena – a responsabilidade pelo seu desenvolvimento.
Máscara da Ilusão se apresenta, ao final, como uma bela fábula sobre a infância e a passagem para a vida adulta, mas que carece de vida e empatia junto ao espectador. Apesar do belo visual, um filme muito aquém dos que já nos proporcionou a parceria Gaiman-McKean.

5 Comments:

Anonymous Marcos Aurélio Felipe said...

Impressão minha ou o filme chega muito perto da pintura? Cinema e pintura estabeleceram uma conexão há muito tempo já amadurecida... Ultimamente, por influencia do livro do Jacques Aumont (O OLho Interminável), vejo pintura em tudo quanto é filme, rs.

28/5/06 17:32  
Blogger Leonardo Mecchi said...

Tenho o livro do Jacques Aumont também, mas ainda não consegui ler.

O filme é bem próximo da pintura sim, mas não de uma pintura no sentido mais tradicional do termo, mas bem no estilo da arte do Dave McKean. Você conhece os trabalhos dele? Dê uma olhada em www.mckean-art.co.uk e www.dreamline.nu

29/5/06 10:09  
Anonymous Marcos Aurélio Felipe said...

Obrigado pela dica de site, Leonardo.

29/5/06 21:43  
Anonymous Moacy said...

Apreciador de quadrinhos (inclusive, de Sandman) e de cinema, cheguei aqui através de Marcos Felipe. Cheguei, vi e gostei. Aproveito para convidá-lo a publicar suas relação dos 2O MELHORES FILMES já vistos, enviando sua lista para o emeio balaio86@oi.com.br até o próximo dia 17. O póprio Marcos Felipe, e mais Chico Fireman e outros já publicaram seus "melhores" spelo Balaio. Um abraço.

6/6/06 11:31  
Blogger Leonardo Mecchi said...

Grande Moacy! Obrigado pela visita. Que bom que gostou, espero encontrá-lo mais vezes por aqui.

Agora, tarefa inglória essa que você me colocou, hein? Eu já sofro pra escolher os 10 melhores do ano ou os 20 melhores da década, imagine os 20 melhores da minha vida, hehehe...

Mas vou assumir o desafio e prometo me esforçar para te entregar a lista.

Abraços!

6/6/06 11:42  

Postar um comentário

<< Home