16.7.09

Mostra Baseado em Caso Real

De 21 de julho a 02 de agosto, o CCBB de Brasília será sede de mais uma mostra organizada pela Revista Cinética, com produção minha e do amigo Rafael Sampaio e curadoria de Cléber Eduardo. A mostra exibirá 17 longas brasileiros realizados a partir da década de 60 e terá debates com críticos, teóricos e realizadores.
A mostra
Desde os primórdios, o cinema brasileiro buscou na realidade o tema para suas criações. Ao longo da história, diversas produções da cinematografia nacional fizeram citação explícita a épocas, contextos, personagens. Para analisar essa vertente do cinema brasileiro, a mostra Baseado em Caso Real apresentará uma programação de filmes assumidamente baseados em casos reais, produzidos entre os anos 1960 e 2000.
Baseado em Caso Real privilegia trabalhos com pouca circulação nos últimos anos e obras cuja repercussão foi provocada pelo caráter de re(a)presentação de um fato ocorrido. A mostra propõe um panorama que possibilita relacionar os filmes a seus momentos de realização. Por meio deles, é possível lidar com acontecimentos definidores de uma sociedade e com os modos cinematográficos de representá-los.
Estão na programação títulos como O Bandido da Luz Vermelha, clássico do cinema marginal assinado por Rogério Sganzerla, e Assalto ao Trem Pagador, de Roberto Farias, além de filmes de rara circulação, como Mineirinho Vivo ou Morto, de Aurélio Teixeira, e Cidade Ameaçada, de Roberto Farias. Uma coleção que mais do que narrar fatos, lança luz sobre a sociedade brasileira dos últimos 50 anos, por meio do discurso cinematográfico e suas diversas técnicas. Para refletir melhor sobre estas e outras questões, a mostra inclui, além das projeções, dois debates reunindo realizadores e intelectuais. No primeiro, intitulado Percurso Histórico dos Casos Reais, Hernani Heffner (pesquisador e chefe de conservação da cinemateca do MAM-RJ) e o diretor Roberto Farias são os convidados, com mediação do curador Cléber Eduardo. No segundo, em que será discutida A Questão da Re(a)presentação: Os Fatos e suas Encenações, o crítico José Carlos Avellar e o diretor Miguel Borges são os debatedores e a mediação fica por conta da também cinética Lila Foster.
A seleção de filmes prevista inclui nomes importantes do cinema brasileiro. Na direção, estão, além dos já citados, Luiz Sérgio Person, Bruno Barreto, Roberto Pires, José Padilha, Clery Cunha, Eduardo Escorel, Andrea Tonacci, Zelito Vianna, Walter Rogério, Silvio Da-Rin, Miguel Borges, Helvécio Ratton e Antônio Calmon. Nos elencos, protagonistas como Reginaldo Faria, Grande Otelo, Nuno Leal Maia, Hugo Carvana, Renata Sorrah, Paulo Viallaça, Helena Ignez, Caio Blat, Daniel de Oliveira, Maitê Proença, Fernanda Torres, Antônio Fagundes, Raul Cortez, Anselmo Duarte, Reginaldo Faria, Eva Wilma, Jardel Filho, Beth Goulart, Leila Diniz, Pedro Cardoso, entre outros.
Panorama dos Casos Reais
Os casos criminais, sejam de crimes passionais ou de conotação social (assaltos, sequestros), são mais freqüentes. Estão presentes em filmes como Assalto ao Trem Pagador (de Roberto Farias), Eu Matei Lúcio Flavio (de Antonio Calmon), Ato de Violência (de Eduardo Escorel), Mineirinho Vivo ou Morto (de Aurélio Teixeira) e O Caso Cláudia (de Miguel Borges), que mostram transgressões à lei, quase sempre com prejuízo para todos os lados, vítimas e criminosos, que em geral terminam presos ou mortos, levando a frente a máxima de que o crime não compensa também no cinema.
Há ainda os filmes com crimes vinculados à política, como são os exemplos de O Caso dos Irmãos Naves (de Luiz Sérgio Person), O Que é Isso Companheiro? (de Bruno Barreto) e Batismo de Sangue (de Helvécio Ratton), que tratam de situações de tortura e de iniciativas de luta armada contra a ditadura, com a clara intenção de colocar contra a parede as ações de governos totalitários e autoridades sádicas em suas atitudes. O mundo trabalhista é mostrado a partir de um caso real de demissão, por conta de um beijo em uma fabrica, em Beijo 2348-72 (de Walter Rogerio), que integra a ala cômica dos casos reais, explorando tanto o insólito das regras quanto o inusitado da desobediência a elas.
Embora se associe a noção de "baseado em caso real" com a ficção, como se o documentário já fosse em si real, a mostra prevê a exibição de dois filmes documentais, justamente porque, nesse tipo de registro no Brasil, são raros os exemplos de enfoques sobre casos ocorridos, de modo a se procurar reconstituí-lo verbal e visualmente. Nos documentários, há uma preferência por se tratar de personagens célebres ou grandes temas, quando se trata de algo do passado, sem tanta preocupação com situações mais específicas, como as tratadas em Hércules 56 (de Silvio Da-Rin) e Ônibus 174 (de José Padilha).

SERVIÇO

Baseado em Caso Real
De 21 de julho a 02 de agosto de 2009
Centro Cultural Banco do Brasil - Brasília
SCES, Trecho 2, cj. 22
(exibições em película, exceto onde indicado)
A programação completa pode ser acessada aqui.

3 Comments:

Blogger lena said...

... por acaso passei por aqui e, acabei lendo quase tudo.

Muita sensibilidade, boa interpretação, assim como, exposição de ideias e pontos de vista.

PARABÉNS
(de mais uma amante de cinema)

3/10/09 13:57  
Blogger Dri Viaro said...

oi, passei pra conhecer o blog e desejar bom dia
bjss

aguardo sua visita :)

10/12/09 11:00  
Blogger O FALCÃO MALTÊS said...

Parceiro, belo trabalho! Bravo!
Como parceiro do cinema, convido-o a navegar no blog O Falcão Maltês. Com ele, procuro o deleite cinematográfico.
Abraços,
Antonio Nahud Júnior

www.ofalcaomaltes.blogspot.com

27/10/10 22:45  

Postar um comentário

<< Home